Serra de São José - Santa Cruz de Minas / Tiradentes - MG

 
A Serra de São José está localizada entre os municípios de São João del-Rei, Tiradentes, Santa Cruz de Minas, Coronel Xavier Chaves e Prados. Caracteriza-se por ser uma formação de quartzito (de fino a grosso) e meta-pelito, apresentando, ainda, dois diques: meta-basito e diabásio. Grandes blocos, chamados de Pontões, compõem o lugar, além dos vários blocos de pedra espalhados por todo o local. Com altitude máxima de aproximadamente 1300m, uma área rica em cachoeiras (na borda oeste) e responsável pela produção da água magnesiana e radioativa. O quartzito é explorado pela Mineração Ômega; nesta fotografia podemos visualizar a degradação ambiental provocada pela dita mineiração. Segundo o Jornal das Lajes (de Resende Costa-MG), "as locomotivas de empresas conhecidas (como Vale e MRS) que rodam pelas principais ferrovias do País têm um reservatório de areia na parte dianteira, que de tempo em tempo deixa cair um pouquinho no trilho para evitar que a roda deslize e que o atrito de ferro com ferro gere faíscas e coloque em risco a segurança do trem. Trata-se de areia nobre - areia de sílica -, que depois de industrializada é difícil de ser diferenciada de açúcar refinado. Este é um dos destinos da areia extraída e processada pela Mineração Omega Ltda., no Sítio Alto da Serra, em Santa Cruz de Minas (...) A areia branca especial tem uso diversificado, desde servir como matéria-prima para a fabricação de argamassa para a construção civil (...) até o seu fornecimento para atividade mais nobre como produção de vidros e cristais (em Santa Catarina). Na visão dos professores e pesquisadores Jader Fernandes Cirino e João Eustáquio de Lima, da Universidade Fedetral de Viçosa-MG (in: Valoração contingente da Área de Proteção Ambiental (APA) São José - MG: um estudo de caso), "a despeito importância de seu patrimônio natural e histórico e de ser uma APA (Área de Proteção Ambiental) desde 1981, a Serra de São José vem sofrendo com atividades antrópicas que nela são realizadas de maneira insustentável. Quanto à atividade de mineração, existe uma única indústria extrativa (Omega), com concessão pública, na extremidade oeste da APA, dentro do município de Santa Cruz de Minas, voltada para a exploração de areia quartzílica. Tal atividade gera impactos ambientais típicos desse tipo de empreendimento, constituindo um local degradado na área da APA, conhecido como areal. Há também a ocorrência de extração ilegal de pedra do tipo quartzito, de natureza mais artesanal, principalmente no município de Prados.". No ano de 2004, conteceu a criação do "Refúgio de Vida Silvestre Libélulas Serra São José"; a partir daí, cerca de 80% da área foi elevada à categoria de unidade de conservação de proteção integral, pois estima-se que a região tenha entre 40 e 50% de todas as espécies de libélulas conhecidas em Minas Gerais e cerca de 18% de todas as espécies encontradas no Brasil. Esta fotografia é de João Ramalho Neto, em março de 2011.
 
Retirado de www.patriamineira.com.br