Estátua e Chafariz - Bairro Matosinhos - São João del-Rei - MG

 
Fotografia de José Antônio de Ávila Sacramento, em 14 de julho de 2010. Adquirido pela Câmara Municipal em 1887, este conjunto é originário da Fundição Val d’Osne, da cidade de Osne-le-Val, Departamento de Haute-Marne (Alto Marne), Região da Champagne-Ardenne, na França. Em São João del-Rei, uma outra graciosa peça, encimada por lampiões e que ornamenta os jardins laterais da Igreja de Nossa Senhora do Carmo e tem o mesmo estilo deste Chafariz; assim, deve também ser um produto originário da Fundição Val d’Osne. Fica aqui consignado um estrondoso brado em favor da restauração destes formidáveis monumentos da cidade de São João del-Rei, antes que eles pereçam de vez... O conjunto Chafariz e Estátua (que se imaginava ser a representação da deusa Ceres) já esteve em muitos locais da cidade; agora, com a reforma da praça principal do bairro de Matosinhos, foi realocado; continua exposto aos vândalos, carecendo de cuidados. A ferrugem já corrói as suas formas e não jorra mais água das duas bocarras de seus faunos. Durante muito tempo acreditou-se que esta estátua seria uma representação da deusa Ceres, mas ultimamente há o convencimento de que a peça não é uma representação feminina e sim masculina! A hipótese mais provável é que ela seja correspondente ao Verão (l'Été, em francês). Como se vê, "o conhecimento do passado é coisa em progresso, feita de fatos e da interpretação deles, que constantemente se transformam e se aperfeiçoam". Está assim delineada, ainda que brevemente, a figura mitológica da deusa Ceres, representada por uma graciosa escultura que está colocada em cima de interessante chafariz, conjunto belíssimo, que ora agoniza no meio da principal praça de Matosinhos, em São João del-Rei - MG. A base da estátua, de onde poderia se fazer voltar a jorrar água das bocarras de faunos lá existentes é ricamente trabalhada. Encimando o chafariz encontra-se figura de um mancebo, imponente, portando cutelo e ancinho ao lado de um grande feixe de trigo. O conjunto foi tombado pelo Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural (CMPPC), tendo como relator do processo o professor dr. José Maurício de Carvalho. Depois do tombamento, nada mais de concreto foi feito em benefício desse patrimônio que agoniza tristemente, sem perspectivas visíveis de salvação. Creio que a memória do laborioso povo de Matosinhos, neste caso simbolicamente representada pelo conjunto chafariz e estátua merece mais atenção e carinho. Se o povo e o Bairro de Matosinhos já perdeu grande parte da riqueza arquitetônica que possuía, o pouco que restou do seu patrimônio merece maiores e melhores cuidados. Quem se habilita a ajudar?
 
Retirado de www.patriamineira.com.br